EM DESTAQUE

Hoje, dia 11, está fazendo exatos dois meses da chacina ocorrida em um baile funk em Mossoró

A imagem pode conter: 4 pessoas, close-up
Por JL Notícias - Dia 11 de março de 2017, uma noite pra ficar marcada na história dos Mossoroenses. Cinco pessoas morrem uma uma festa denominada "Baile de favela", a festa aconteceu numa noite de um sábado dia 11 de março, em uma casa de eventos situada no bairro Boa vista. A casa de recepções onde foi realizado o baile funk está fechada. E deve permanecer assim por um bom tempo. Segundo o delegado, o estabelecimento não possui licenças. “Não tem alvará, licenças de funcionamento, nada. Estava toda irregular. 

O dono do imóvel simplesmente colocou uma placa e abriu a casa”. As vítimas foram identificadas como Eduardo Nunes Farias, de 19 anos; Eriely Amanda de Souza Neves, de 21 anos; Israel Gomes Bezerra, de 19; Kaynan Gomes, conhecido como 'Mc Kay', de 16; e Jocie Morais da Fonseca, de 20 anos. Entre os mortos, a jovem Eriely Amanda foi atingida por um tiro de espingarda na cabeça. Ela tinha sido mãe no final do ano passado. Kaynan Gomes ainda tentou correr, mas caiu morto próximo ao portão de acesso ao local do evento. Eduardo Nunes também tentou correr para se salvar, no entanto, foi perseguido e morto nas imediações do buffet.

Inicialmente, a polícia havia divulgado que o DJ que tocava na festa tinha morrido no Hospital Regional Tarcísio Maia, mas, na manhã do domingo (12), a informação foi corrigida. O DJ estava entre os feridos e a vítima que morreu no hospital foi Jocie Morais. De acordo com o delegado da DEHOM, cinco pessoas participaram no crime e quatro estão presas.

São eles: Felipe Martins dos Santos, mais conhecido como ‘Playboy’, de 21 anos, Marlon Bruno da Silva Nascimento, mais ‘Shampoo’, de 26 anos, Francisco Josenilson da Silva, conhecido como ‘John’, de 24 anos e Abdiel da Silva Domiciano, o ‘Galadim’, de 22 anos, além deles, uma adolescente também foi apreendido. A Delegacia de Mossoró solicita apoio para localizar Abdiel da Silva Domiciano. A população pode ligar de forma anônima para o disque denúncia, de número 181, para o telefone (84) 3321-5172, ou para o aplicativo WhatsApp, de número (84) 98855-0177. 

Uma disputa entre duas facções rivais motivou a chacina e apenas uma das vítimas seria alvo dos criminosos. Será uma noite marcada na história de Mossoró, principalmente pra família da Eriely Amanda, onde a mesma deixou um bebê de menos de 1 ano de idade.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário