Vírus da febre amarela sofreu diversas mutações genéticas inéditas, aponta Fiocruz

Foto: Divulgação / Ministério da Saúde
 
Variações inéditas no genoma do vírus da febre amarela foram encontradas por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). O sequenciamento completo do genoma do vírus responsável pela febre amarela foi finalizado e, a partir da análise, as variações foram encontradas. De acordo com o G1, não há registro dessas mutações na literatura científica mundial. 
 
A vacina ofertada atualmente protege contra diferentes genótipos do vírus, como o sul americano e o africano. A alteração detectada não afeta a proteína do vírus, que são utilizadas no funcionamento da vacina. Duas amostras de macacos bugios do Espirito Santo foram utilizados para o sequenciamento do genoma. “Os bugios são especialmente importantes nas investigações sobre a febre amarela por serem considerados 'sentinelas': como são muito vulneráveis ao vírus, estão entre os primeiros a morrer quando afetados pela doença. 
 
Além disso, estes animais amplificam eficientemente o vírus em seu organismo”, afirmou Ricardo Lourenço, veterinário e entomologista. O vírus que estava causando o surto de febre amarela no país pertence ao subtipo genético conhecido como linhagem Sul Americana 1E. As alterações detectadas são associadas a proteínas envolvidas na replicação viral. Os resultados foram encaminhados ao Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, além de para pesquisadores da Itália, Estados Unidos e Inglaterra. Os impactos da descoberta ainda estão sendo investigados. Mais amostras serão sequenciadas.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário