Falha do Facebook expôs dados de funcionários a terroristas, diz jornal

Uma reportagem do jornal britânico "the Guardian" revelou nesta sexta-feira (16) que uma falha do Facebook pôs a vida de funcionários em risco após expor suas informações pessoais a usuários da rede social suspeitos de terrorismo. A falha de segurança afetou mais de 1.000 funcionários, incluindo terceirizados, em 22 departamentos do Facebook. Esses funcionários eram responsáveis por moderar considerado inapropriado pela plataforma, como material sexual, discurso de ódio e propaganda terrorista. 

A falha fazia com que as informações pessoais dos funcionários aparecessem como notificações no painel de atividades de grupos da rede social cujos administradores foram banidos por violar os termos de uso. Com isso, os demais administradores dos grupos tinham acesso aos dados dos funcionários. Dos 1.000 funcionários afetados, aproximadamente 40 trabalhavam em um departamento de contraterrorismo na sede europeia do Facebook, em Dublin, na Irlanda. Destes, seis funcionários foram classificados como vítimas de alta prioridades por terem suas informações provavelmente vistas por suspeitos de terrorismo.
Moderadores suspeitaram que havia um problema de segurança após receber solicitações de amizade de pessoas ligadas aos grupos terroristas que estavam vasculhando.  A falha foi identificada pelo Facebook no início de novembro de 2016, mas só foi corrigida duas semanas depois. As informações pessoais dos funcionários ficaram expostas durante um mês. Em nota, a empresa confirmou a existência falha e disse que fez correções para "melhor detectar e prevenir a ocorrência desse tipo de problema".  O "Guardian" conversou com um dos seis funcionários mais vulneráveis, que pediu que fosse mantido seu anonimato por razões de segurança.  Ele é um cidadão irlandês nascido no Iraque com pouco mais de 20 anos de idade e fora contratado pela empresa de terceirização Cpl Recruiting para trabalhar como "analista de operações de comunidade" no Facebook, uma função geralmente mau paga destinada a moderar o conteúdo da rede social.  O funcionário pediu demissão e fugiu da Irlanda para o Leste Europeu por cinco meses após descobrir que sete indivíduos ligados a um grupo suspeito de terrorismo que ele havia banido do Facebook haviam acessado suas informações pessoais.  Segundo ele, esse grupo era sediado no Egito e apoiava o grupo radical palestino Hamas e tinha membros que simpatizavam com a organização terrorista Estado Islâmico (EI).
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva Divulgação

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário