Mulher confessa que deixava padrasto estuprar filha de quatro anos e que transava na frente da criança

Painel Político - Um caso bárbaro de abuso sexual chocou a cidade de Coronel Fabriciano, no Vale do Aço. Um padrasto abusava de uma menina de apenas 4 anos de idade, mas o agravante é que a mãe permitia e assistia os abusos, bem como o casal mantinha relações sexuais na frente da criança para satisfazer os desejos do companheiro. O casal, de iniciais F.C.S.C e W.J.A, foi apresentado pela Polícia Civil nesta terça-feira (27/06/2017).

De acordo com a delegada Tereza Júlia do Nascimento, há cerca de 15 dias a mãe, de 32 anos, procurou a delegacia para denunciar os abusos. Ela ligou para a unidade e disse que não tinha como ir até lá pessoalmente para fazer a denúncia. Por causa da gravidade da denúncia, a delegada pediu que uma equipe de investigadores fosse até a casa dela para buscá-la. “Ela estava chorando muito e começou a dizer que o padrasto abusava da criança, fazendo sexo oral nela e pedindo com que a menina fizesse sexo oral nele”, contou a delegada.

A delegada disse que ela e os investigadores começaram a perguntar como eram os abusos e a mãe acabou contando que ela permitia e participava. Ela disse que às vezes bebia e acabava tendo relações sexuais com o companheiro, de 49 anos, na frente da criança. “Ela contou que estava tomando banho com a menina e começava a ter relações sexuais na frente dela e que depois o casal levava a criança para a cama deles. Ela disse que fazia isso porque o companheiro dizia que era o sonho dele envolver uma virgem na relação do casal e ela tinha medo de perder o companheiro se não fizesse isso”, afirmou Tereza.

Com esse primeiro depoimento da mãe, os investigadores ouviram também a criança que confirmou os fatos. “A menina tem uma linguagem e dava detalhes que uma criança na idade dela não saberia. O padrasto foi ouvido e negou os abusos”, relatou a delegada. A mulher disse que bebe todos os dias e que mantinha relações sexuais na frente da criança porque amava seu companheiro e não queria perdê-lo. “Eu acredito que ela foi a delegacia por causa de muito remorso da situação e depois ela mudou a versão porque viu a dimensão que o caso tinha tomado”, disse a delegada.

Ainda de acordo com Tereza, a criança passou por exame de corpo e delito e não foi constatado o rompimento do hímen, no entanto, mesmo assim, há indícios suficientes que o crime aconteceu. A delegada disse que já esperava por esse resultado, já que a mãe contou que o suspeito disse que só faria penetração com a menina quando ela completasse 12 anos e antes disso, ele só faria sexo oral.

Depois do primeiro depoimento a mãe foi chamada para ser ouvida novamente e mudou de versão negando que praticasse os abusos e também que o padrasto tivesse abusado das crianças. No entanto, durante as investigações, os policiais descobriram que a menina já tinha contado sobre os abusos para uma vizinha e para uma prima também criança.

Segundo a delegada os abusos começaram em novembro do ano passado. A mulher foi presa no último dia 20 e o homem no último dia 23. Ele chegou a ficar foragido e foi encontrado em uma casa que ele tinha na cidade. Não se sabe se ele tinha cometido outros abusos sexuais. Os dois serão indiciados por estupro de vulnerável e, se forem condenados, podem pegar, no mínimo, de 8 a 30 anos de prisão. “Foi o caso mais chocante que já peguei. Todos nós da delegacia ficamos muito chocados”, conclui a delegada.

Família é completamente desestruturada

A delegada contou que além da mãe da criança ser alcoólatra a família é completamente desestruturada, já que o pai biológico da vítima está preso por abusar sexualmente de outras crianças no bairro onde morava, também em Coronel Fabriciano. A mãe tem um outro filho que ela perdeu a guarda. A Polícia Civil está investigando o motivo para ela ter perdido a guarda da criança e ainda não há mais detalhes. “O que sei é que esta outra criança está morando com a família materna em Fortaleza, de onde a autora é natural”, diz Tereza. Segundo a delegada, embora a família seja de baixa renda, eles não chegavam a passar dificuldades. A mulher é do lar e o suspeito trabalhava com mototáxi, tinha casas de aluguel na cidade e já morou na Europa.

Inicialmente a menina de 4 anos foi levada para a casa de uma tia paterna, no entanto ela ficará sobre os cuidados do Conselho Tutelar e deverá ser encaminhada para um abrigo da prefeitura da cidade.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário