WEB - MIX SV

EM DESTAQUE

TCE vai inspecionar 313 obras paralisadas em 100 municípios do RN

Tribunal de Contas fará inspeção nas obras que estão paralisadas no Rio Grande do Norte
TCE-RN - O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) criou uma comissão para auditar as 313 obras paralisadas e inacabadas no Estado. Essas obras estão localizadas em pelo menos 100 dos 167 municípios, onde a Inspetoria de Controle Externo da Corte conseguiu realizar o levantamento preliminar das projetos que estão nessa situação, com R$ 308 milhões investidos de um volume previsto de R$ 600 milhões.

A secretária de Controle Externo do TCE, Anne Emilia Costa Carvalho, designou os inspetores Francisco Marcelo Assunção de Queiroz e Telma Galvão de Carvalho para executarem a auditoria por amostragem e com prazo de conclusão previsto para março de 2018, conforme determina o Plano de Fiscalização Anual 2017/2018 da Corte de Contas.

"Esse trabalho é continuidade daquele primeiro levantamento anunciado em 18 de  maio, agora a auditoria será feita em algumas obras que foram mapeadas e selecionadas para a amostragem, porque não dá para auditar todas elas", explica o diretor da Inspetoria de Controle Externo do TCE, José Monteiro Coelho Filho: "É um trabalho praticamente inédito, porque não se fez um levantamento tão abrangente". 

José Monteiro Filho disse que, apesar do levantamento inicial anunciado em maio pelo conselheiro  do TCE, Tarcísio Costa, a auditoria vai apurar mais detalhadamente as causas da paralisação e abandono de obras, por exemplo, identificar mais amiúde os recursos investidos "e se houver dano ao erário", encaminhar o resultado para a apuração de responsabilidades.

Monteiro Filho diz que a contrapartida do Estado e Municípios "é muita pequena", a maior parte de recursos são provenientes do Orçamento Geral da União (OGU), que são auditados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria Geral da União (CGU). Em princípio, segundo Monteiro, a auditoria deverá ser concluída em março do próximo ano, "mas pode acontecer de ser concluída antes ou passar um pouco do prazo". Porém, ele avisa que antes o TCE deverá organizar um painel, em data a ser anunciada, com os gestores públicos e outras instituições "para se discutir esse problema das obras paralisadas e inacabadas".

O presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), Benes Leocádio”, Benes Leocadio, avalia, inicialmente, “como positiva a ideia do TCE de tomar pé dessa realidade das obras paradas no Estado”. Depois, afirmou Benes Leocádio, “é preciso usarmos esse levantamento a favor dos municípios ou dos entes mais prejudicados, que contratam obras quase que exclusivamente com o governo federal através de emendas de parlamentares ao Orçamento Geral da União (OGM) e que ficam, como a gente está vendo acontecer, pendurados no pincel".

Dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE) indicam que das 313 obras  fiscalizadas, houve vistoria “in loco” em 57% delas. Numa primeira fase fiscalizou-se obras no valor acima de R$ 100 mil e em municípios com mais de 20 mil habitantes. Na segunda fase, a ideia era fiscalizar as obras de todos os 167 municípios potiguares, com obras acima de R$ 50 mil, mas menos da metade – 43%, responderam aos questionários do TCE.A Inspetoria de Controle Externo da Corte constatou que das 313 obras fiscalizadas, a maior parte (58%) tinham financiamento federal, enquanto  37,2% são de recursos estaduais e apenas 4,8% de recursos próprios dos municípios.

Das 313 obras, as paralisadas eram 58%, com investimentos de R$ 268 milhões (87%) e as inacabadas 42%, onde foram investidos R$ 40,28 milhões (13%). As maiores causas são atrasos ou suspensão dos repasses financeiros da União (40,3%) ou por distrato ou abandono das obras pelas construtoras (15,7%), segundo o trabalho do TCE, que vem sendo realizado desde 2015.

O maior número de obras inacabadas ou paralisadas são de estradas e pontes (55%), além esporte e lazer (17,6%) obras de abastecimento de água (16%), habitação (15,7%) drenagem e pavimentação (12,2%). O trabalho abrangeu prefeituras do Rio Grande Norte, além de secretarias estaduais e órgãos da administração estadual indireta.

Investimentos já feitos em obras paradas e inacabadas

Valor previsto
    R$ 600.056.928,18

Valor aplicado   
  R$ 308.452.363,67

181 paralisadas
    R$ 268.164.714,75

132 inacabadas
      R$ 40.287.648,92
Origem dos investimentos

União
    58%

Estado
    37,2%

Municípios
     4,8%
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário