Usuários de drogas lotam contêineres no centro de SP

Usuários de drogas lotam contêineres no centro de SP: No domingo, polícia fez ação para desmontar acampamentos
Um dia após a segunda operação policial feita na Cracolândia para destruir o acampamento montado por traficantes e usuários de drogas na Praça Princesa Isabel, no centro de São Paulo, o alojamento em contêineres recém-inaugurado pela gestão do prefeito João Doria (PSDB) para atender dependentes químicos na região da Luz ficou lotado.
 
Por volta das 19 horas desta segunda-feira, 12, a reportagem flagrou cinco pessoas pedindo que seguranças e assistentes sociais abrissem os portões para que pudessem comer, tomar banho e dormir. “Não tem mais vaga”, repetiam os funcionários da unidade, que tem 100 camas e capacidade para atender até 150 pessoas durante o dia.

Segundo uma assistente, o espaço lotou por volta das 16 horas – dali em diante, ninguém mais poderia entrar. Para quem pediu comida, ela disse que não havia mais marmita e as toalhas de banho também já tinham acabado. A situação irritou alguns dependentes, como o desempregado Eduardo Mousinho, de 41 anos, que diz estar há 11 dias sem fumar crack, fazendo sessões diárias de terapia no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod).

“Estou há 11 dias limpo, estou me tratando, mas parece que eles não querem ajudar. Se eu fico no Cratod, fazendo terapia, não consigo vaga para dormir”, disse Mousinho, que preferiu dormir na rua a ir para o Complexo Prates, centro de acolhimento no Bom Retiro para onde a Prefeitura deslocou quem não conseguiu vaga no alojamento da Luz. “Lá no Prates usam droga e roubam nossas coisas”, disse.SÃO PAULO – Um dia após a segunda operação policial feita na Cracolândia para destruir o acampamento montado por traficantes e usuários de drogas na Praça Princesa Isabel, no centro de São Paulo, o alojamento em contêineres recém-inaugurado pela gestão do prefeito João Doria (PSDB) para atender dependentes químicos na região da Luz ficou lotado.

Por volta das 19 horas desta segunda-feira, 12, a reportagem flagrou cinco pessoas pedindo que seguranças e assistentes sociais abrissem os portões para que pudessem comer, tomar banho e dormir. “Não tem mais vaga”, repetiam os funcionários da unidade, que tem 100 camas e capacidade para atender até 150 pessoas durante o dia.

Segundo uma assistente, o espaço lotou por volta das 16 horas – dali em diante, ninguém mais poderia entrar. Para quem pediu comida, ela disse que não havia mais marmita e as toalhas de banho também já tinham acabado. A situação irritou alguns dependentes, como o desempregado Eduardo Mousinho, de 41 anos, que diz estar há 11 dias sem fumar crack, fazendo sessões diárias de terapia no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod).

“Estou há 11 dias limpo, estou me tratando, mas parece que eles não querem ajudar. Se eu fico no Cratod, fazendo terapia, não consigo vaga para dormir”, disse Mousinho, que preferiu dormir na rua a ir para o Complexo Prates, centro de acolhimento no Bom Retiro para onde a Prefeitura deslocou quem não conseguiu vaga no alojamento da Luz. “Lá no Prates usam droga e roubam nossas coisas”, disse.

Sucesso
Em nota, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social enalteceu o fato de o alojamento “ter conseguido atrair os usuários e conquistado sua confiança em apenas quatro dias de funcionamento” e disse que “estão sendo realizados todos os ajustes necessários para que o atendimento seja ainda mais adequado e eficiente”. Segundo a pasta, serão criadas mais 280 vagas para dependentes químicos na Luz, em um prédio público na Avenida Duque de Caixas e em contêineres. Quando a lotação é atingida, afirma, oferece transporte para a unidade mais próxima ao dependente.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário