Horário de verão pode causar infarto?

Correio Braziliense - Estudos indicam relação entre o horário de verão e complicações médicas, como o aumento de mortes por infarto. Para especialistas, problemas podem estar ligados a desarranjos no ciclo cicardiano.
 
“Que diferença faz um dia? Vinte e quatro pequenas horas?”, questiona a antiga canção de María Grever e Stanley Adams. Se um dia parece pouco, o que dizer de uma hora? Pois, de acordo com diversos estudos, inclusive feitos no Brasil, 60 minutos podem, sim, fazer uma grande diferença quando o assunto é saúde.

De aumento na incidência de infartos a mais internações por diabetes, esses trabalhos mostram que existe uma relação de causa e efeito envolvendo o horário de verão. A literatura científica indica que, no dia imediatamente após o adiantamento do relógio, o número de ocorrências médicas tem um crescimento significativo.

Foi o que constatou o professor da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) Weily Toro Machado, autor de um artigo publicado no jornal Economic letters, assinado também por Robson Tigre e Breno Sampaio. Ao analisar informações do banco de dados do DataSUS, do Ministério da Saúde, os pesquisadores encontraram associação entre o horário de verão e a elevação na incidência de morte por infarto. O trabalho baseia-se na tese de doutorado de Machado, defendida na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em que o pesquisador avalia outras relações de causa e efeito, incluindo um número maior de internações por diabetes mellitus.

O economista conta que seu objetivo era investigar o impacto do horário de verão no cotidiano dos brasileiros. Depois de ler um estudo estrangeiro publicado no The New England Journal of Medicine, sobre a incidência de infartos e a política de adiantamento do relógio, Weily Toro Machado decidiu verificar se o mesmo ocorria no Brasil. Ele pegou os dados disponíveis no DataSUS, de 2008 a 2012, de todos os estados brasileiros referentes aos óbitos por ataques cardíacos 15 dias antes e 15 dias depois do início do horário de verão. Depois, fez a comparação diária dessas informações.

Nos estados em que a prática é adotada (todos, menos os do Nordeste e do Norte), na segunda-feira imediatamente seguinte à mudança de horário, o aumento de mortes por infarto variou de 7% a 8,5%. Já nas localidades sem horário de verão, não houve alteração estatística. “Usamos a econometria, um método estatístico que nos permite mostrar uma relação de causa e efeito, sendo que a única coisa que aconteceu naquele período foi a mudança de horário. Isso me permite fazer essa inferência de casualidade”, explica o pesquisador. O Centro-Oeste foi a região mais afetada do país, e a maior parte dos casos ocorreu entre a população com mais de 60 anos.

O diretor científico da Sociedade Brasileira de Cardiologia e pesquisador colaborador da Universidade de Brasília  (UnB) Fausto Stauffer explica que, teoricamente, essa associação pode ser explicada pelos efeitos das alterações no ciclo cicardiano, o popular relógio biológico. “A privação de sono libera mais hormônios adenérgicos, o que pode provocar espasmos na artéria do coração. Também há uma produção maior de citocinas pró-inflamatórias, e o aumento das placas nas artérias está associado à inflamação”, diz Stauffer, que também coordena a Cardiologia do Hospital Santa Lúcia Norte.

Pesquisas sobre o ciclo cicardiano, aliás, deram a um trio de cientistas norte-americanos o prêmio Nobel de Medicina/Fisiologia deste ano, anunciado há uma semana. Em uma série de estudos, Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young demonstraram como o gene responsável por reger o relógio biológico das células codifica uma proteína que, ao longo da noite, se acumula para, então, degradar-se ao longo do dia. Interrupções nesse ciclo estão associadas a diversas doenças. O modelo de estudo dos pesquisadores foi a mosca-da-fruta.

“Sair de um estado de sono para o de vigília já é um evento estressante para o corpo”, diz Martin Young, professor da Divisão de Doenças Cardiovasculares da Universidade do Alabama em Birmingham. “Quando temos uma mudança abrupta, como perder uma hora de sono no horário de verão, nossos relógios internos não têm tempo suficiente para preparar nossos órgãos”, alega.

Um dos mecanismos afetados, de acordo com Young, é o tom simpático, quando, pela manhã, o corpo envia um grande número de sinais para o coração. Durante a noite, a quantidade de sinais é bem menor. “Porém, quando alguém é privado de sono, o tom simpático pode ficar elevado, mesmo durante o sono, o que é fortemente associado a doenças cardiovasculares. O período do sono é um momento em que o coração não deveria ser desafiado”, afirma.

Influências externas

O cardiologista Fausto Stauffer lembra, porém, que os efeitos da quebra do ciclo cicardiano no sistema cardiovascular, especialmente no que diz respeito à privação crônica do sono, ainda não foram estudados em seres humanos. “Já as pesquisas estatísticas que mostram aumento da incidência de infarto são observacionais. Ou seja, elas não planejam privar alguém do sono e estudar o real efeito disso nessa pessoa. Além disso, o pesquisador não conhece todos os fatores de risco da população estudada. Só podemos fazer inferências precisas quando houver estudos controlados”, observa.

O presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj), Ricardo Mourilhe, não se convence de que a alteração do relógio em uma hora pode provocar algum problema de saúde. “Nos estudos de observação, muitos fatores externos sobre os quais o pesquisador não tem controle influenciam nos resultados. Para se ter ideia, uma vez, um estudo mostrou uma incidência maior de mortalidade entre não fumantes, comparada a fumantes”, exemplifica. Além disso, ele ressalta que há resultados conflitantes mesmo entre um estudo observacional e outro.

Por exemplo, em 2013, uma pesquisa da Divisão de Cardiologia do Hospital William Beaumont, de Michigan, com dados de 935 pessoas, referentes a 2006 a 2012, detectou aumento na incidência de infarto agudo de miocárdio no primeiro dia após a mudança para o horário de verão. Um ano antes, um trabalho do Instituto Karolinska, da Suécia, encontrou aumento de 5% nessas ocorrências na primeira semana de mudança de horário, crescimento esse classificado como modesto pelos pesquisadores. Já um artigo da Universidade do Colorado em Boulder, publicado em 2014, constatou alteração no horário das ocorrências de infarto, mas não detectou qualquer influência sobre a incidência desses eventos.

Já o economista Weily Toro Machado, da Unemat, acredita que, aliada às estatísticas, a literatura científica garante a credibilidade dos estudos observacionais. Até dezembro, será publicado um novo trabalho, conduzido por ele, mostrando que as internações por diabetes mellitus também elevam em 8,5% logo depois da implementação do horário de verão. O pesquisador também prepara um trabalho para avaliar os custos da saúde pública com o aumento das hospitalizações associadas à alteração nos relógios. “Se temos um aumento de internação, há aumento no gasto público. Então, se por um lado o horário de verão gera economia de energia, o que é muito questionado, por outro, também há um aumento dos gastos de saúde pública”, afirma.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário