WEB - MIX SV

EM DESTAQUE - CDS QUE NÃO PODE FALTAR EM SEU PEN DRIVE

Segunda noite de desfiles em São Paulo reúne cinco campeãs

Resultado de imagem para Segunda noite de desfiles em São Paulo reúne cinco campeãsCinco campeãs do carnaval se apresentam hoje (10), na segunda noite dos desfiles do Grupo Especial de São Paulo: X-9, Império, Vai-Vai, Mocidade e Gaviões passam em sequência na passarela do Anhembi. Fecham a festa Dragões da Real e Vila Maria. O desfile ocorre no Sambódromo do Anhembi, zona norte da capital. Após um ano no grupo de baixo, a X-9, duas vezes campeã, abre a noite, seguida da Império de Casa Verde, que tem três títulos no currículo e é conhecida pelo luxo das fantasias e a grandiosidade das alegorias.
Resultado de imagem para Segunda noite de desfiles em São Paulo reúne cinco campeãs
Vice-campeã em 2017 com uma homenagem ao Nordeste, a Dragões da Real é uma das escolas que desfilam neste sábado.Divulgação/ Marcelo Pereira/LIGASP/Fotos Públicas

Em seguida é a vez de duas supercampeãs. A Mocidade Alegre, dez títulos e maior vencedora do século é a terceira escola a passar; depois, se apresenta a Vai-Vai, soberana com seus 15 campeonatos. Como tem ocorrido nos últimos anos, as agremiações do Bairro do Limão e do Bexiga, respectivamente, devem lutar pelas primeiras colocações. Em seguida, o Anhembi vai assistir a um tira-teima. Primeiro entra em cena a corintiana Gaviões da Fiel, tetracampeã e única escola oriunda de torcida organizada a ter vencido um carnaval. 
 
Na sequência desfila sua desafiante, a são-paulina Dragões da Real, vice-campeã em 2017, com a mesma pontuação da vencedora Acadêmicos do Tatuapé, mas que perdeu o título nos critérios de desempate. A apuração dos desfiles de ontem e hoje ocorrerá na terça-feira. As quatro primeiras colocadas entre as 14 agremiações participarão do Desfile da Campeãs, na sexta-feira. As duas últimas serão rebaixadas e disputarão o Grupo de Acesso em 2019.
 
As escolas e seus enredos

X-9 Paulistana (22h30)
A criatividade popular para criar expressões curiosas e engraçadas, mas que expressam ideias complexas. Este é o enredo da X-9 Paulistana em sua volta ao grupo de cima do carnaval paulista. A voz do samba é a voz de Deus. Depois da tempestade, vem a bonança! vai brincar na avenida com os ditados populares.

Segundo a escola, apesar de universais, os provérbios ganharam um sabor muito próprio no Brasil em razão da espontaneidade do povo brasileiro. Por isso, o desfile vai mostrar que essas expressões pitorescas revelam muito do caráter nacional. O próprio nome do enredo explica como a ideia será trabalhada. 

Depois da tempestade vem a bonança é uma referência ao fato de a X-9 estar voltando ao Grupo Especial após a queda em 2016. A escola foi fundada em 1975 na Parada Inglesa com o nome de Filhotes da X-9, em alusão à tradicional agremiação X-9, de Santos. Sua primeira década de vida foi tímida, mas a partir de 1985 a agremiação teve um grande impulso e rapidamente subiu todas as divisões do samba paulista, até estrear no Grupo Especial em 1995.

A partir dali, a X-9 passou a ocupar os primeiros lugares no desfile. Foi campeã em 1997 e 2000 e fez grandes desfiles explorando temas criativos. Nos anos recentes, a escola havia se afastado da condição de favorita, até cair para o Grupo de Acesso em 2016, onde ficou apenas um ano.

Império de Casa Verde (23h35)
A Império de Casa Verde vai fazer em seu desfile uma conexão entre a Revolução Francesa e o atual momento político brasileiro. Com o enredo O Povo: A Nobreza Real, a agremiação vai imaginar como seria se o povo brasileiro resolvesse tomar as rédeas do país. As inspirações são o romance Os Miseráveis, de Victo Hugo, e a novela Que Rei Sou Eu?, da Rede Globo.

O desenvolvimento da ideia mostra a população saindo do papel de bobo da corte para lutar por seus ideais contra os carrascos da injustiça até ser coroada soberana dos destinos no país em plena avenida. E na conclusão, quem tem sangue azul é o povo.
São Paulo - Desfile da Império da Casa Verde no segundo dia de apresentações das escolas de samba do Grupo Especial paulista (Paulo Pinto/LigaSP)
Uma das campeãs que desfilam neste sábado, a Império da Casa Verde fala este ano da Revolução Francesa.Paulo Pinto/LigaSP
 
A Império de Casa Verde é a caçula das campeãs do carnaval de São Paulo. Nascida em 1994 como dissidência da veterana Unidos do Peruche, a escola teve uma ascensão fulminante e já em 2003 estreava no Grupo Especial. Já no terceiro ano na elite do carnaval, a escola levantou seu primeiro título, feito que repetiria no ano seguinte. O terceiro de seus campeonatos viria em 2016. Desde o início, a Império ficou conhecida por seu luxo e ostentação e pelas alegorias gigantes, especialmente os tigres, que são seu símbolo e compõem o carro abre-alas.

Mocidade Alegre (0h40)
A Mocidade Alegre vai cantar a voz de Alcione no desfile de hoje. O enredo Alcione: A voz marrom que não deixa o samba morrer, contará a vida da cantora de 70 anos de idade e 45 de carreira. Seus grandes sucessos vão servir de pano de fundo para a passagem da escola, que vai enaltecer também a cultura popular do Maranhão, terra da Marrom, como a cantora é chamada.

A participação da cantora na luta contra a ditadura será outro ponto trabalhado pela Mocidade. E como não poderia deixar de ser, a Mangueira, escola de Alcione, terá grande espaço na apresentação no desfile. A Mocidade Alegre é uma das mais tradicionais escolas de samba de São Paulo. Além disso, depois de um período de jejum, a agremiação do Bairro do Limão tornou-se a mais frequente campeã paulistana. Desde 2004, quando voltou a levantar um título, a Morada do Samba, como é chamada carinhosamente, acumula seis de seus dez campeonatos. O mais recente foi conquistado em 2014. Fundada em 1967 por um trio de irmãos oriundos do estado do Rio de Janeiro, a escola ficou famosa por seus enredos de temática africana. No ano passado, não conseguiu celebrar o cinquentenário com um título, mas está confiante de que voltará ao topo agora.

Vai-Vai (1h45)
A Vai-Vai continua este ano a peregrinação pela Bahia que começou no carnaval passado. Em 2017, a escola do Bexiga homenageou Mãe Menininha do Gantois. Agora, vai apresentar o enredo Gilberto Gil - Sambar com fé eu vou.
O desfile passará pelos grandes sucessos de Gil e vai explorar o aspecto eclético de sua obra, que passeia pelo samba e pelo baião, pelo rock e pelo reggae, que vai da canção de protesto ao lúdico do Sítio do Pica-Pau Amarelo.

O desfile vai abordar a vocação política do artista, militante contra a ditadura, exilado, vereador em Salvador e ministro da Cultura. Também vai tratar da religiosidade, do sincretismo e dos cultos orientais. E não faltarão citações às grandes criações poéticas de um autor que tem nas metáforas um de seus segredos. A Vai-Vai é uma das entidades carnavalescas mais antigas de São Paulo. Nascida cordão em 1930, na Bela Vista ou, como é mais conhecido, no Bexiga, bairro central de São Paulo, tornou-se escola de samba em 1972, com a unificação dos desfiles de carnaval. Considerada a mais popular da cidade, a Vai-Vai é também a maior campeã, com 15 títulos. Dos tempos de cordão, mantém a tradição da batida forte e acelerada da bateria, apelidada “pegada de macaco”.

Gaviões da Fiel (2h50)

A cidade de Guarulhos, vizinha de São Paulo, é a inspiração da Gaviões da Fiel para este carnaval. Com o tema Guarus – Na Aurora da Criação, a Profecia Tupi… Prosperidade e Paz aos Mensageiros de Rudá, a escola pretende contar a história do povo guaru, que habitou a região e inspirou o nome do município.

Segundo a agremiação, a mitologia tupi-guarani narra a recriação do mundo pelo mensageiro Rudá, que escolheu um ponto especial para fazer renascer a humanidade após a grande destruição promovida por Tupã. Este lugar especial, em que Rudá instalou os guarus, estava destinado a servir de berço da convergência de diferentes povos, ou seja, índios, brancos e negros.

A Gaviões da Fiel nasceu das batucadas nas arquibancadas da torcida organizada do Corinthians, criada em 1969. Nesta época, seus integrantes formavam uma ala da Vai-Vai. Em 1975, a entidade decidiu participar dos desfiles de blocos, que venceu 12 vezes em 13 anos. Foi então convidada a transformar-se em escola de samba, o que aconteceu em 1989.

Em 1995, no desfile em que festejou os 20 anos de sua trajetória como entidade carnavalesca, conquistou o primeiro de quatro títulos com o enredo Coisa Boa é Para Sempre, cujo samba foi o primeiro de São Paulo a tornar-se conhecido nacionalmente. Em 1999 viria o segundo título. Depois do bicampeonato de 2002/2003, a escola se envolveu em disputas judiciais com a Liga, que queria confinar as torcidas organizadas num desfile próprio. Desde então, deixou de aparecer entre as primeiras colocadas e chegou a afirmar que havia uma predisposição em prejudicá-la.

Dragões da Real (4h55)

Vice-campeã em 2017 com um desfile que falava do Nordeste e tinha a canção Asa Branca como fio condutor, a Dragões da Real decidiu prosseguir na mesma linha e este ano vai cantar a música sertaneja. Com o enredo Minha Música, Minha Raiz: Abram a porteira para essa gente caipira e feliz!, a escola baseará sua apresentação na vida do campo, na simplicidade do povo do interior, sua fé e costumes, aspectos que inspiraram a moda de viola. A partir daí, mostrará como a canção sertaneja cresceu, invadiu a cidade e tornou-se o maior fenômeno musical das últimas décadas no país. Vão passar pela avenida os maiores sucessos e os grandes artistas do gênero.

A Dragões da Real é a mais jovem das escolas do Grupo Especial. Surgiu em 2000, formada por torcedores do São Paulo que participavam de outras agremiações. Em 2012, estreou no Grupo Especial e conseguiu o 7º lugar.

A partir de então, consolidou-se na elite, ocupando sempre da quarta à sexta colocação e rivalizando com Gaviões da Fiel e Mancha Verde, em um campeonato informal à parte entre escolas/torcidas. Até que, em 2017, obteve o segundo lugar depois de ficar na frente da Acadêmicos do Tatuapé na maior parte da apuração e perder o título no critério de desempate.

Unidos da Vila Maria (5h00)

Antes mesmo do carnaval, a Unidos da Vila Maria se destaca por ter o mais longo nome de enredo do ano. Aproveitam-se de minha nobreza, você não soube, não te contaram? Suspeitei desde o princípio. Não contavam com minha astúcia. Arriba, Bolaños, Arriba Vila, Arriba México! vai homenagear o ator, diretor e humorista Roberto Bolaños, que imortalizou o personagem Chaves e sua turma.

Bolaños, na verdade, servirá como cicerone de um desfile que pretende, a partir dele, falar sobre o México, sua história e as contribuições que as civilizações maia e asteca deram para a humanidade. Merecerão destaque também a culinária, a música, as novelas e as belezas naturais do país. Outro personagem de destaque da apresentação será a artista e ativista política Frida Kahlo.

A Unidos de Vila Maria é uma das escolas mais antigas de São Paulo. Fundada em 1954, lutou por quase 40 anos para conquistar um lugar no Grupo Especial, o que conseguiu em 2002. Rapidamente tornou-se uma concorrente de valor e conquistou boas colocações, como o vice-campeonato de 2007.

Em 2013, depois de 12 anos na elite, caiu para o Grupo de Acesso, mas voltou no ano seguinte. Nesta segunda fase, no entanto, iniciada em 2015, a escola ainda não conseguiu repetir os grandes desfiles do período anterior à queda.



Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário