WEB - MIX SV

EM DESTAQUE - CDS QUE NÃO PODE FALTAR EM SEU PEN DRIVE

Gás de cozinha vai ficar mais caro a partir de segunda-feira (24)

Resultado de imagem para Gás de cozinha vai ficar mais caro a partir de segunda-feira (24)
Metropoles - Quem precisa repor o gás de cozinha para garantir o almoço e o jantar em casa deve se apressar. Na próxima segunda-feira (24/9), o botijão ficará, em média, 3,9% mais caro. É o que informa o Sindicato das Empresas Transportadoras e Revendedoras de GLP do Distrito Federal (Sindvargas), por  meio de nota. Segundo o presidente da entidade sindical, Sérgio Costa, as revendedoras do Distrito Federal estão recebendo o produto com aumento das engarrafadoras. 

O percentual é o mesmo aplicado sobre os salários do funcionários dessas empresas. “Está sendo repassado e não temos como segurar os preços”, lamenta Costa. E o aumento da próxima segunda não será o único este ano. De acordo com o presidente do Sindvargas, a política da Petrobras prevê correção trimestral no preço do botijão. O próximo será aplicado no começo de outubro, segundo Sérgio Costa. Na tabela disponibilizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) referente à semana entre 9 e 15 de setembro, o botijão de 13 quilos era encontrado de R$ 65 a R$ 85, a depender da região de compra no Distrito Federal. 

O mais barato estava sendo vendido na quadra 303 do Recanto das Emas, e os mais caros, no Lago Sul e no Cruzeiro. O valor médio fica em R$ 73,29. O Sindvargas ressalta que o mercado é livre e competitivo em todos os elos da cadeia, e que, portanto, caberá a cada revendedor decidir de acordo com seus custos o repasse ao consumidor final. Mas estima que a correção média será de 3,9%. Durante a greve dos caminhoneiros, em maio deste ano, o brasiliense enfrentou uma saga para conseguir gás de cozinha. Os estoques zeraram. 
 
O produto é trazido ao DF, principalmente, de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Durante a paralisação e o bloqueio de rodovias, o GLP não chegava à capital. Desesperados, consumidores começaram a estocar gás. Teve gente que pagou até R$ 250 por um botijão usado em cozinha industrial, de 45kg, que não é recomendado pelo Corpo de Bombeiros.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário