WEB - MIX SV

KOYOTE LUXÚRIA - "BUMBUM QUE BALANÇA" (CLIPE OFICIAL)

EM DESTAQUE - CDS QUE NÃO PODE FALTAR EM SEU PEN DRIVE

Aumenta para 500% o número de feminicídios no RN


A violência contra a mulher que ainda perdura no estado, vitimou 6 mulheres em menos de 42 dias.
 
Por Iara Nóbrega; Jornalista –DRT-PE 1405; 11/02/2019 17h54.
 
É fundamental, discorrer sobre a violência contra a mulher, uma vez que, esses sistemas de símbolos e práticas, são reproduzidos diariamente e já estão naturalizados, mesmo diante dos avanços da legislação que buscam frear as mortes de milhares de mulheres ao longo dos anos.

Os estados da região Nordeste do Brasil carregam construções sociais e culturais que particularizam as diferenças entre os papeis masculino e feminino, a exemplo o Estado do Rio Grande do Norte – RN. “Sem dúvidas que a questão passa pela cultura machista e de ausência de voz das mulheres vítimas de violência doméstica. Acredito que seja um enfoque muito complexo de ser trabalhado, devendo passar pela história e pela cultura de opressão que sempre vivenciou as mulheres. Na maioria dos casos (não possuo informações concretas), as vítimas já devem vir passando por um histórico de opressão e violência, mas tem medo de denunciar e procurar as autoridades locais”, relata Julio Costa, Diretor da Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa.
 
Entre o dia 1° de janeiro a 11 de fevereiro de 2019, 06 mulheres foram assassinadas no Rio Grande do Norte. No ano passado, uma morte de mulher foi registrada, o que representa um aumento de 500% em relação ao mesmo período de 2018, de acordo com os dados do Observatório da Violência do Rio Grande do Norte – OBVIO. “A polícia tem focado na investigação dos casos que ocorrem na Capital e feito o controle das ocorrências do Interior do Estado.
Todos os inquéritos foram remetidos ao Judiciário com elucidação e com os seus autores presos, exceto o caso de Caicó, cujo agente acha-se foragido”, Afirma o delegado Júlio Costa, diretor da dhpp. 

A denúncia é uma das formas de evitar o feminicídio, pois se ele acontece e continua perdurando, significa que o Estado, as legislações e as políticas públicas ainda são ineficientes e falhas, para se evitar o feminicídio é necessário transcender os saberes e refletir para além do fato das mortes violentas de mulheres. Nesse ínterim, buscar alternativas e ações que causem impactos nas estruturas sociais, em que as gerações futuras, posam compreender que as desigualdades entre os papeis masculino e feminino, não podem ser naturalizadas e entendidas como verdades absolutas. As diferenças entre e gênero devem agregar e fortalecer a construção de uma sociedade mais justa, com vistas a emancipação humana.







Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário