WEB - MIX SV

KOYOTE LUXÚRIA - "BUMBUM QUE BALANÇA" (CLIPE OFICIAL)

EM DESTAQUE - CDS QUE NÃO PODE FALTAR EM SEU PEN DRIVE

Semiárido potiguar terá chuvas dentro da média em março, abril e maio, dizem meteorologistas

O semiárido potiguar, que abrange as regiões Central, Oeste e parte do Agreste do Rio Grande do Norte, terá volume de chuva dentro da média no trimestre de março, abril e maio de 2019. A informação foi divulgada pelos meteorologistas do Nordeste e do Cptec/Inpe, nesta sexta-feira (22), após discussões e análises realizadas durante a quinta-feira (21), na sede da Empresa de Pesquisas Agropecuárias do RN (Emparn), na região metropolitana de Natal. 

De acordo com os pesquisadores, o resultado partiu da análise dos campos atmosféricos e oceânicos de grande escala - como vento em superfície e em altitude, pressão ao nível do mar, temperatura da superfície do mar, entre outros - e dos resultados de modelos numéricos globais e regionais e modelos estatísticos de diversas instituições de meteorologia do país.  

Chuva média por região e no estado
 
Região Oeste - 479,2 mm
Região Central - 378,3 mm
Região Agreste - 343,2 mm
Leste - 533,8 mm
Estado - 433,6 mm


92% do território potiguar é composto pelo semiárido, que engloba as regiões Central, Oeste e quase toda região Agreste. Por isso, de acordo com a Emparn, saber como vai ser o inverno nestas regiões é importante porque interfere diretamente em vários setores da economia, como agricultura, agropecuária e também no abastecimento de água. "Foi observado que no Oceano Pacífico Equatorial há a continuidade do Fenômeno El Niño com intensidade fraca, mas ocupando uma grande área na superfície desse oceano. A permanência dessa condição vem ocorrendo de acordo com os resultados dos modelos de previsão de anomalia e projetam que essa condição permanecerá nos próximos meses”, considerou o meteorologista da Emparn, Gilmar Bristot, durante a reunião climática. Os meteorologistas também observaram que o Oceano Atlântico Sul se manteve, em média, mais aquecido que a parte norte deste oceano. 

Eles explicaram que essa condição no comportamento do Oceano Atlântico é necessária para que ocorra o deslocamento e a manutenção da Zona de Convergência Intertropical (principal sistema meteorológico causador das chuvas no Norte do Nordeste no período de fevereiro a maio), para posições mais ao sul da Linha do Equador. Isso favorece a ocorrência de chuvas regulares sobre a região Nordeste durante o período de março a maio. Na Reunião Climática de janeiro, em Fortaleza, a previsão foi de chuvas na média até acima da média para os meses de fevereiro, março e abril. 

Desde o início de fevereiro, até esta sexta (22), já são 105 municípios com volume acumulado de chuvas de normal a acima do normal. Fato que, para os meteorologistas, já caracteriza o início do período chuvoso no sertão potiguar.

A previsão de que vai chover na média, foi considerado um bom prognóstico diante de um cenário de anos de seca. A situação melhorou um pouco no ano passado, quando a média de chuva no Rio Grande do Norte ficou apenas 7% abaixo da média. Os seis anos anteriores foram secos e choveu bem abaixo da média.
Compartilhe com Google Plus

About Canindé Silva

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário